31 de mar de 2010

TÉCNICO EM MARKETING

DESCRIÇÃO DA PROFISSÃO
Aplica estratégias para o planejamento de Marketing e vendas.
Aplica conceitos mercadológicos, coleta e organiza dados relevantes para as atividades de comercialização.
Elabora desenhos de banco de dados, interpreta a legislação que regula as atividades da área.
Utiliza técnicas de vendas para atrair clientes, aplica técnicas para atrair clientes e de atendimento pessoas e de representação comercial.

CAMPOS DE ATUAÇÃO PROFISSIONAL
Empresas públicas e privadas, comércio em geral e empresas de assessoria e consultoria.

30 de mar de 2010

LEITURA OBRIGATÓRIA PARA VESTIBULAR DE INVERNO PUC SP.

A Pontifícia Universidade Católica de São Paulo divulgou a lista de livros de Leitura obrigatória para o vestibular de inverno.
Os livros são:

Antologia Poética - Vinicius de Moraes (com base na segunda edição aumentada);
Capitães de Areia - Jorge Amado;
Dom Casmurro - Machado de Assis;
O Cortiço - Aluísio de Azevedo;
Vidas Secas - Graciliano Ramos.

A prova será realizada no dia 13 de junho.

28 de mar de 2010

TÉCNICO ELETROELETRÔNICA

DESCRIÇÃO DA PROFISSÃO

Elabora projetos de equipamentos eletroeletrônicos para aplicação industrial e instalações elétricas industriais.
Participa na programação de equipamentos para comandos industriais.
Desenvolve projetos de baixa tensão residencial, industrial e predial.
Desenvolve e aplica programas de conservação de energia.
Interpreta gráficos, diagramas, esquemas e testes de ensaio.
Efetua desenhos técnicos de esquemas de circuitos em todas as fases da montagem dos componentes eletrônicos e produtos.
Avalia princípios de luminotécnica, de eletrônica digital e analógica industrial.
Executa manutenção e reparo de máquinas e aparelhos eletrônicos.

CAMPOS DE ATUAÇÃO PROFISSIONAL
Indústrias e empresas de manutenção de equipamentos eletroeletrônicos.

22 de mar de 2010

TÉCNICO EM CAFEICULTURA

DESCRIÇÃO DA PROFISSÃO
Participa do planejamento, execução e monitoramento dos processos de implantação e condução de lavouras de café.
Participa da colheita e do processamento pós colheita.
Auxilia na implantação de programas e acompanhamento de sistemas de controle de qualidade dos grãos.
Colabora nos processos de comercialização e gerenciamento do mercado do café.

CAMPOS DE ATUAÇÃO PROFISSIONAL
Empresas de produção e consultoria agrícola, de assistência técnica, comércio, agronegócio de café, indústrias de insumos agropecuários, cooperativas agrícolas e instituições que atuam na área de extensão rural e pesquisas.

17 de mar de 2010

TÉCNICO EM ZOOTECNIA

DESCRIÇÃO DA PROFISSÃO

Participa de atividades de planejamento e controle da criação de animais domésticos e silvestres.
Elabora, aplica e monitora programas de manejo preventivo, higiênico e sanitário na produção animal com a finalidade de melhorar a produtividade e rentabilidade.
Participa do planejamento e avaliação das instalações utilizadas para a criação dos rebanhos.
Colabora na seleção dos animais para a formação do rebanho matriz para reprodução.
Implanta e maneja pastagens, aplicando procedimentos relativos ao preparo e conservação do solo e da água.
Presta assistência técnica e extensão rural em produção animal

CAMPOS DE ATUAÇÃO PROFISSIONAL
Empresas de nutrição animal, propriedades rurais, extensão rural, assistência técnica, cooperativas agropecuárias, clínicas veterinárias e institutos de pesquisa.

14 de mar de 2010

TÉCNICO ASSESSORIA DE GERENCIAMENTO EMPRESARIAL

DESCRIÇÃO DA PROFISSÃO
Planeja e organiza as atividades da empresa de acordo com a sua finalidade.
Supervisiona as atividades de equipes de trabalho.
Define metas e estratégias e controla a realização e os resultados alcançados;
Administra conflitos, analisa problemas, incrementa as soluções e viabiliza as ações necessárias ao alcance dos objetivos;
Avalia competências e potencialidades dos profissionais.

CAMPOS DE ATUAÇÃO PROFISSIONAL
Indústria, comércio, prestação de serviços de consultoria e assessoria em gestão empresarial em empresas de médio e pequeno porte, entre outros.

12 de mar de 2010

BIBLIOTECONOMIA

DESCRIÇÃO DA PROFISSÃO:

Planeja, implanta e administra bibliotecas e serviços de documentação.
Seleciona e adquire livros, documentos bibliográficos, iconográficos (imagem gráfica) e audiovisuais, através de compra, permuta e doações, efetua o registro e estabelece o sistema de arquivamento.
Analisa livros, revistas, documentos, filmes, fotos, vídeos e jornais.
Cuida da conservação, restauração e encadernação e zela pelo acervo de bibliotecas.
Analisa e processa os documentos com base nos sistemas e códigos internacionais realizando a fazendo a classificação, catalogação do acervo cuidando da manutenção dos catálogos.
Elabora resumos, sinopses, sumários, índices, glossários e cabeçalhos de assuntos.
Utiliza recursos tecnológicos como computadores, microfilmagens e outros para a realização e conservação do trabalho.
Cuida da disposição das pelas de forma a facilitar o acesso dos usuários.
Organiza e mantém banco de dados.
Organiza bibliotecas de acordo com os métodos estabelecidos.
Organiza sites de informação, e portais de conteúdo informativo.
Orienta usuários para a localização de livros ou documentos e uso correto das fontes de referência e recursos bibliográficos.
Efetua levantamento de dos e elabora estatísticas e relatórios das atividades de bibliotecas e centros de documentação.
Organiza ou representa congressos, seminários, concursos, exposições nacionais e internacionais, relativas à Biblioteconomia e Documentação.
Presta assessoria aos serviços de editoração e publicação.
Gerencia sistemas de informação.
Cuida da recuperação de informações e peças informativas.

CAMPOS DE ATUAÇÃO PROFISSIONAL:

Bibliotecas infantis, escolares, universitárias, especializadas. Centros de serviços de documentação e informação, museus, discotecas, cinematecas, vídeo clubes, hemerotecas, mapotecas, brinquedotecas, livrarias, editoras, galerias, centros de cultura e lazer, instituições de pesquisa, centros de organização e cadastramento de informações bibliográficas, centros de computação, associações de classe, sindicatos, bancos, estabelecimentos comerciais e empresas públicas e privadas nos centros de documentação das mesmas.

CURRÍCULO MÍNIMO DO CURSO:

Matérias de Fundamentação Geral: Comunicação, Aspectos Sociais, Políticos e Econômicos do Brasil Contemporâneo, História da Cultura e Educação Física.

Matérias Instrumentais: Lógica, Língua Portuguesa e Literatura da Língua Portuguesa, Língua Estrangeira Moderna, Métodos e Técnicas de Pesquisa.

Matérias de Formação Profissional: Informação Aplicada à Biblioteconomia, Produção dos Registros do Conhecimento, Formação e Desenvolvimento de Coleções, Controle Bibliográficos dos Registros do conhecimento, Disseminação da Informação, Administração de Bibliotecas.

Estágio: Obrigatório e Supervisionado.

Duração do Curso: 4 anos.

11 de mar de 2010

TÉCNICO EM PROCESSOS FOTOGRÁFICOS

DESCRIÇÃO DA PROFISSÃO:
O Técnico em Processos Fotográficos produz e gerencia imagens fotográficas, manipulando a linguagem de forma criativa.
Utiliza recursos tecnológicos de produção, em estúdio, executa o tratamento, a edição, o gerenciamento de imagens digitais.
Utiliza equipamentos de fotografia e iluminação para captura de imagens estuda ângulos, iluminação e cenário.
Prepara imagens digitais para impressão.
Manipula acervos fotográficos.
Presta assistência técnica na manutenção de equipamentos fotográficos.

CAMPOS DE ATUAÇÃO PROFISSIONAL:

Estúdios fotográficos, agências de publicidade, editoras, jornais, lojas de equipamentos fotográficos digitais e assistências técnica e como autônomo.

7 de mar de 2010

QUÍMICA AMBIENTAL

DESCRIÇÃO DA PROFISSÃO:
Estuda e pesquisa os processos químicos naturais ou causados pelo homem que acontecem na natureza, as mudanças que ocorrem no meio ambiente os processo químicos que envolvem essas mudanças e os danos que causam à humanidade.
Detecta, controla e monitora os problemas em locais da natureza determinados locais da natureza a fim de entender e prevenir a concentração das espécies químicas que ameaçam o meio ambiente.
Monitora e controla os riscos de contaminação do meio.
Verifica e controla os parâmetros de poluição exigidos pela legislação.
Realiza organização e a gestão de medidas de proteção ambiental.
Inspeciona e controla o trabalho na conservação ambiental e o estabelecimento das medidas necessárias para os cumprimento das normas estabelecidas pela legislação.
Realiza análises químicas físico-químicas. Químico-biológicas, bromatológicas, toxcológicas, propõe mudanças de forma a reduzir a geração de resíduos químicos.

Realiza vistorias. Perícias, avaliação, elaboração de pareceres, laudos e atestados relativos a contaminação.
Pode assumir responsabilidade técnica como direção, supervisão, programação e orientação de empresas desde que não envolva a produção em nível industrial.

CAMPOS DE ATUAÇÃO PROFISSIONAL
Empresas, laboratórios de análise, órgãos púbicos de análise e controle ambiental, indústrias químicas, de cosméticos, alimentos, metalúrgicas, siderúrgicas, agroindustriais, entre outras.

4 de mar de 2010

TECNOLOGIA EM PRODUÇÃO SUCROALCOOLEIRA

DESCRIÇÃO DA PROFISSÃO:
O Tecnólogo em Produção Sucroalcooleira desenvolve e aplica tecnologias nos processos de produção de açular é álcool.
Desenvolve tecnologias adequadas à utilização de novas tecnologias para a agroindústria de base.
Controla as operações nos processos industriais, implantação e avaliação de operações comerciais.
Projeta, implanta e programa modificações nos principais processos de produção sucroalcooleira.
Supervisionar o manejo de matérias-primas e processos de produção sucroalcooleiras e agroindustrais
Controlar a qualidade dos produtos nas propriedades e nas agroindústrias familiares.
Planeja e realiza pesquisas em tecnologia sucroalcooleira.
Acompanha todas as etapas do processo agroindustrial e intervêm na produção agrícola a fim de adequar a qualidade da matéria-prima à indústria.
Assessorar, tecnicamente, projetos de pesquisas e de sistemas de produção sucroalcooleira e agroindustriais nas propriedades familiares;
Supervisionar o manejo de matérias-primas e processos de produção sucroalcooleiras e agroindustrais
Controlar a qualidade dos produtos nas propriedades e nas agroindústrias familiares
Empreender negócios que envolvam formas de biodiesel.
Atua na condução e no controle de operações dos processos sucroalcooleiros zelando pela qualidade da produção.
Participa em pesquisa e implantação de processos tecnológicos na fabricação de produtos da cana.
Identifica necessidades, diagnóstico de problemas e busca de soluções.
Dirige de equipes de trabalho;
Faz análise da sustentabilidade e da viabilidade técnico-econômica.
Dirige, supervisiona, executa e orienta análises físicas ou químicas.
Assessoria aos dirigentes de usinas e destilarias.


CAMPOS DE ATUAÇÃO PROFISSONAL
Fazendas de plantações de cana de açúcar, indústrias de açúcar e álcool, indústrias de produtos alimentícios, cooperativas agrícolas, usinas, destilarias e instituições de ensino e pesquisa.

2 de mar de 2010

MEC COGITA MUDANÇAS NO SISU PARA O PRÓXIMO ANO, APÓS 74% DE DESISTÊNCIA DE APROVADOS

Simone Harnik
Em São Paulo

A terceira etapa do Sisu (Sistema de Seleção Unificada) do MEC (Ministério da Educação) começou, nesta segunda-feira (1º), após desistência maciça dos candidatos às vagas nas instituições de ensino em que foram convocados.

Ao todo, foram selecionados mais de 29 mil vestibulandos e apenas 26% deles se matricularam na segunda etapa - o que representa um fracasso para esta fase do processo seletivo. A pasta já estuda mudanças no Sisu para o ingresso no próximo ano, com a criação de uma lista de espera já após a primeira chamada.
• Vagas não preenchidas por curso
• Vagas não preenchidas por instituição
• Vagas não preenchidas por Estado

O ministério atribui a falha da seleção na segunda etapa do Sisu, principalmente, aos candidatos que, de maneira jocosa, fizeram inscrição em universidades que não tinham interesse real de estudarem.

Na primeira etapa, estavam em disputa 47,9 mil vagas, das quais 18,6 mil foram preenchidas. Restaram para a segunda etapa mais de 29 mil, com apenas 7,5 mil matriculados.

De acordo com o MEC, houve casos de estudantes que participaram do Sisu mesmo depois de matriculados em outras instituições de prestígio. Um exemplo citado foi o de um candidato que, matriculado na Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa, prestou um curso na UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul), garantiu a vaga no Sul do país e não se matriculou.
O que deve mudar
E qual mudança seria capaz de dar conta de desestimular os candidatos a fazerem brincadeiras com o sistema? O ministério acredita que a lista de espera poderá acabar com o problema de vagas não preenchidas. Por isso, a partir do próximo processo seletivo, ela deverá ser instituída após a primeira chamada.

Esta relação foi um artifício criado exclusivamente para esta terceira etapa de seleção do Sisu, pois o MEC "não havia previsto" que vestibulandos poderiam fazer do sistema um "joguinho de aprovação". Com ela, a pasta pretende que todas as vagas das instituições de ensino recebam seu respectivo ingressante.
A pasta afirma que o fenômeno não ocorreu durante a primeira etapa, que selecionou os candidatos com as maiores notas e maior interesse.
Por que o MEC não previu o problema
A grande desistência de vagas não foi pressuposta porque a pasta imaginou que as listas de aprovados fossem seguir os padrões de preenchimento de vagas do Prouni (Programa Universidade para Todos), com muito menos abandono de aprovados.

O programa dá bolsas de estudo, parciais e integrais, em universidades particulares para estudantes egressos da rede pública com renda familiar que se enquadre ao limite do edital. No momento, a renda familiar, por cabeça máxima admitida é de três salários mínimos (R$ 1.530). O caráter social das vagas do Prouni, segundo o MEC, seria inibidor de brincadeiras entre os vestibulandos.
Notícia publicada no site www.uol.com.br

Comentando
Só o MEC não previu o que poderia acontecer né!
No dia 09 de setembro de 2009 escrevi um texto – Considerações sobre o Novo ENEM no qual já comentava algumas coisas que poderiam acontecer nesta forma de seleção para o curso superior.
Isso que o MEC não previu era o obvio, muitos estudantes não estão preparados para um concurso desse porte, não tem a maturidade suficiente para fazer uma escolha profissional adequada, outros fazem a opção por cursos menos concorridos a fim de garantir o ingresso na universidade que nada tem a ver com o que realmente querem, outros ainda optam por universidades longe de casa onde não poderão estudar porque morar fora exige gastos que muitos não têm condições de arcar e é claro tem aqueles engraçadinhos que fazem o que fez aquele citado acima que depois de matriculado em uma faculdade inscreveu-se novamente no SISU para outra universidade no RGS.
Para se fazer um exame nacional que substitua os vestibulares é preciso ter uma estrutura muito grande e forte, estabelecer regras rígidas e claras onde o estudante só poderá concorrer a universidades de seu estado de origem em um único curso ou ter até no máximo três opções de curso dentro da mesma área, criar mecanismos de fiscalização e segurança.
Além disso, ter maior investimento na Educação Básica – Ensino Fundamental e Médio introduzindo no currículo escolar a Orientação Vocacional para que os estudantes possam fazer a escolha certa e não abandonar o curso depois ficando a vaga ociosa.
Esse tipo de avaliação requer um grande estudo não pode ser feito de uma hora para outra, requer organização, regras, pessoal extremamente capacitado o que demanda treinamento e contratar entidade experiente para a realização do mesmo.