23 de ago de 2009

ESCOLHENDO A PROFISSÃO

Estava remexendo meu material de Orientação Vocacional para fazer algumas atualizações, encontrei esse texto, é um pouco longo, mas, vale a pena ser lido, principalmente por aqueles que estão em fase de escolha profissional.

Escolhendo uma profissão
Stephen Kanitz

Todo jovem tem de tomar pelo menos duas grandes importantes decisões na vida. A escolha da profissão e a do cônjuge. A maioria estuda e namora o futuro cônjuge nos mínimos detalhes, mas escolhe e descarta dezenas de profissões com uma única frase. Muitos passarão mais tempo no emprego do que com o marido, a esposa e a família. Quando chegarem em casa, todos já estarão dormindo.

Como melhorar a escolha da profissão com a mesma dedicação com que se escolhe um cônjuge?

1. Namore também sua profissão. Se seus pais possuem um conhecido que exerça uma profissão, peça permissão para acompanhá-lo por algumas semanas para sentir como é seu dia-a-dia. Mesmo que tenha de ficar nos corredores, você verá o ambiente, sentirá um pouco a rotina diária. Assista a uma semana de aulas em sua futura faculdade. Comece a explorar as variantes da profissão, descubra as linhas de pensamento, os estilos. Quem são as "feras" dessa área e como são os estilos de vida. Combinam com o seu?

2. Não se apresse. Se você estiver na dúvida quanto à escolha da profissão, tire um ano mochilando pelo mundo afora. É preferível "perder" um ano a perder toda uma vida profissional. A escolha da profissão precisa ser cuidadosa, porque hoje em dia é mais fácil trocar de cônjuge que de profissão. Aos 32 anos você não terá mais disposição para prestar um novo vestibular. Essa pressão da sociedade e dos pais para uma escolha imediata vem do tempo em que a expectativa de vida de um adulto era de somente quarenta anos. Hoje a expectativa média de vida é de 82 anos. Um ano ou dois não farão a mínima diferença.

3. O não por exclusão. Nossa tendência é sempre achar algum defeito numa idéia nova. "Engenheiros sujam as mãos", "contabilidade é para tímidos", "advocacia é para quem fala bem", "finanças e economia são para especuladores". Toda profissão tem seus defeitos. Se você andou escolhendo algumas profissões por exclusão, volte atrás e pense de novo.

4. Explore o cinza. Justamente porque o estereótipo do advogado é aquele que fala bem, existe enorme falta de advogados que sejam bons em matemática. Por isso, advogados tributaristas, os que mexem com números, são muito bem pagos no Brasil.

5. Não confunda interesse com proposta de vida. Todos nós deveríamos ter interesse em história e filosofia. Espero que nos fins de semana vocês leiam esses temas, e não mais um livro técnico. Todo mundo deveria estudar um pouco de economia, psicologia e direito, mas nem todos irão querer estudar essas matérias a vida inteira. O simples interesse não é suficiente para fazer de você um profissional dedicado e totalmente comprometido para o resto da vida. Uma fã do pianista Arthur Moreira Lima disse que daria a vida para tocar como ele. "Pois eu dei a minha vida", respondeu Moreira Lima. Se você está disposto a dar sua vida por história ou filosofia, aí não é um mero interesse, é sem dúvida uma vocação. Portanto, vá em frente. Se você escolher uma profissão no par-ou-ímpar, lembre-se de que poderá estar tirando a vaga de alguém que tem vocação, a vaga de um futuro Moreira Lima.

Faça um favor à sociedade e àqueles que adorariam estar em seu lugar: não tome a vaga de quem realmente precisa. A sociedade, os excluídos e seus futuros professores agradecerão efusivamente. Portanto, vá com calma. Estude a vida inteira e escolha sua profissão de uma forma profissional. Boa sorte e meus votos de sucesso.

Stephen Kanitz é administrador (www.kanitz.com.br)

Artigo Publicado na Revista Veja, Editora Abril, edição 1781, ano 35, nº 49, 11 de dezembro de 2002, página 20.

Antes de fazer sua escolha pense em tudo isso e boa sorte.

15 comentários:

layne disse...

eu já escolhi minha profissão, mas é meio dificil de passar. então o que fiz: passei pra outro curso mais facil e vou cursar pra depois reoptar pro curso que quero, infelizmente to tomando a vaga de alguem, mas não existe outra opção, ficar em casa não dá.

Raii Stupid disse...

Acho que o adolescênte passa a vida estudando e quando chega a hora de escolher uma profissão fica indeciso, com medo de fazer a escolha errada.
Acredito que textos como esse e outras iniciativas ajudam muito!
Parabéns!

FabioZen disse...

Inez,show de bola teu blog.Realmente nossos jovens precisam de orientação para não disperdiçarem suas potencialidades!

Ricardo Matos disse...

A fase (final da adolescencia) é muito dificil, somos "obrigados" a escolher o que vamos fazer pelo resto de nossas vidas (ou não). Eu tinha muito medo de errar na minha decisão, mais agora eu vejo que se eu não gostar e ver que tomei a decisão errada posso recomeçar quantas vezes for preciso.
Intependente da escolha temos que trata-la com responsabilidade e dar o melhor de nós para que pelo menos ninguém possa dizer que não se tentou fazer o melhor.
Gostei bastante do seu blog, bem informativo. Sucesso.


Se puder da uma passada no meu blog:
LOUCURAS DA IMAGINAÇÃO
www.loucurasdaimaginacao.blogspot.com


Bjs.

J. C. David disse...

algumas dicas são até boas, mas coisas que vêem da veja, me dão indigestão..

Adm. Marcelo Leite disse...

Ótimas dicas minha querida. Sou fã de seu blog.
Se tiver MSN me passe, quero manter contato com alguns blogueiros, e gostaria de manter contato contigo tb!
Abraços.

kikinhah disse...

Tem 2 selos pra vc no meu blog!!!
BjOs^^

Polly... disse...

eu já sei o que quero fazer , porém, fico em duvida se realmente vou gostar msm, mas sinto que vou !
espero q eu esteja certa !
bjs
visite tbm!


http://atitudescertasdeumagarotaimperfeita.blogspot.com/

bjs!

thaiana disse...

quando sai da escola queria psicologia ai comecei a estudar e larguei não gostei do curso agora to estudando historia e e tbm ja pensei em largar...
fico confusa se é isso mesmo que eu quero...

Guilherme_Arconexo disse...

Ótimo post! É comum me pegar em dúvida sobre o que quero fazer, e as vezes esclarecimentos são bons.

http://nadaaverpontocom.blogspot.com/

Rafael Watanabe disse...

OI Inez ;D Pesnou que eu tinha esquecido daqui, né? Pois não esqueci, só estou - muito - sem tempo (tanto que nem atualizei meu blog como queria :/)
Bom, mesmo sem tendo tempo pra comentar, eu passava aqui sempre que podia, e to por dentro dos outros posts que, pra variar, estão muito bons. Gostei desse texto que postou, tem varios conselhos bacanas e a comparação da profissão com o "conjugue" foi ótima x) Eu concordo com o autor sobre "não ter medo de perder um ano, por exemplo". Tipo, eu ja disse pros meus familiares (que fizeram cara feia) que se eu chegar no 3° periodo do meu curso e visse que nao era o que eu queria, eu trancaria o curso e correria atras de novas possibilidades. Sei lá, eu sei que seria dificil, mas é mais dificil fazer algo que você não gosta por pura obrigação.

Seu blog é ótimo, beijo. Boa noite x)

mediskina disse...

Eu já tinha escolhido minha profissão desde muito cedo então eu nem pensei muito na hora do vestibular.



Mediskina-aqui a gente brinca mas ensina Medicina!

Renan Barreto disse...

Mesmo não gostando da Veja eu tenho que concordar, deve-se dar a vida pela profissão, mas lógico que de uma forma saudável. Eu vivo jornalismo todos os dias da semana, mas vc acha que eu não gosto de ler Nietzsche, Kant e cia? Claro, mas o problema mesmo é tempo.

Bem, valeu, Inez, e esse texto é muito bom pra galerinha que tá começando. Eu já devo ter dito que queria fazer arquitetura ou administração quando tava no terceiro ano. Sou jornalista quase formado huauh A gente muda de opinião, né. huauhuh

Valeu!!!!

http://renanbarretoonline.blogspot.com/

Prêmio M3, disse...

isso eh algo dificil..
principalmente quando temos habilidades em varias funções...

Dj Xerox disse...

Escolher uma profissao nem sempre é algo facil.
Pois as vezes desejamos abraçar o mundo sendo que as vezes nem conseguimos conquistar o nosso proprio espaço onde estamos.
Se tivessemos a oportunidade de poder esperimentar e nao se arrepender pelo tempo perdido mais tarde seria e melhor escolha.
Infelizmente o velho ditado é verdadeiro: Querer não é poder.